domingo, 19 de janeiro de 2014

Pra começar, numa das curvas da highway...

Olá, pessoas! (:

Como começar? Bom, eu sou a Juliana, 24 Janeiros, uma clássica capricorniana. Apaixonada por música, embora sem formação musical, e que, muito honrada por participar deste blog, começo minha participação falando da minha banda preferida, a banda de outro capricorniano de 24 de Dezembro, que eu, particularmente, acho o cara mais genial ainda vivo. E porque eu digo que a banda é dele, se é uma banda, e não uma carreira solo? Simples, é o único remanescente da formação original. Tipo o Guns n’ Roses do Axl, sabe? Só que sem decadência...
Ainda sobre mim, não tenho nenhuma história tocante e fantástica, tipo “aprendi a tocar guitarra com 4 anos”, ou “quando bebê só dormia ouvindo blues”, nem nada disso. Sou só mais uma dessas milhões de pessoas que amam música.
Meus pais são nordestinos, então, cresci ouvindo forró e brega do lado paterno, e flashback’s românticos, baladinhas disco, entre outras coisas bem legais do lado materno, e isso era tudo o que eu conhecia de música. Até que, entrando na adolescência, meu irmão mais velho, por intermédio de um primo (também mais velho), conheceu o rock. Então foi a fase de ouvir Guns n’ Roses sem parar, ele era fanático. Logo depois descobri a Radio Rock (que voltou ao dial pouco mais de 1 ano atrás, pra felicidade geral de quem gosta de rock e depende de estações de rádio). Daí em diante meu repertório musical foi crescendo... E eu me lembro de gostar bastante de Guns também, RHCP, muito rock nacional, mas eu pendia muito pro lado do Nirvana. Era, até aí, a minha “banda perfeita”.
Nessa época eu não tinha muito contato com meus primos mais velhos, como o meu irmão tinha, mas tinha uma amiga da minha idade com quem também fazia minhas descobertas musicais. Lembro-me que o pai dela adorava Elton John, ele tinha um gosto bem refinado... E foi na casa dela, entre os CDs do pai dela, que ouvi pela primeira vez o som dessa banda. O primeiro sentimento que tive, foi de identificação, ouvindo “Ando só”. Hoje eu toco violão/guitarra (na verdade, tento aprender há uns 8 anos, rs), e até gosto do instrumental também, mas meu negócio mesmo são as letras. Talvez porque goste muito de ler também, escrever... Então tenho esse ponto fraco (ou forte), pra mim, tem que ter letra! Tem que dizer algo, tem que fazer pensar, tem que abrir a mente...
É justamente por esse motivo a minha escolha, e não poderia ser outra. Por conta disso também, minhas criticas não cercam muito a parte técnica musical, até por falta de conhecimento mesmo, minhas análises e impressões pessoais são mais pra esse lado... E é assim que conto um pouco sobre mim, confundindo entre~linhas minha história e a dessa banda. O que pra mim ta super amarrado...

Tudo começou em Janeiro de 1985, quando uns caras que cursavam arquitetura na Federal do Rio Grande do Sul, se reuniram para fazer um som na faculdade, período paradão e pós greve, em que rolaram acontecimentos artísticos dos estudantes que quisessem se manifestar e tal. Humberto Gessinger era um cara certinho, tímido, que tocava guitarra, Carlos Maltz tocava batéra, Marcelo Pitz no baixo, e Carlos Stein (que não durou muito na banda, hoje toca na Nenhum de nós) na outra guitarra. Assim começou a banda que nasceu tão despretensiosamente, que em despeito dos nomes fortes e imponentes que surgiam na época (Tipo: Legião Urbana, Titãs), foi batizada satirizando os estudantes do curso de eterna rixa, os caras da Engenharia que desfilavam de bermuda de praia pelo campus...
Dessa apresentação, depois fizeram mais uma na faculdade, mais algumas em barzinhos, outras pelo interior do RS, conseguiram entrar em uma coletânea de bandas dos pampas com 4 meses de existência, (graças à uma baixa no time, rs) e em mais alguns meses lançaram seu primeiro Disco, com direito a música em novela global e tudo!


Hoje com 18 CDs oficiais, 8 coletâneas lançadas... Bom, a essa altura você já deve saber de quem eu estou falando, né?! Vamos saborear disco a disco o som dos herdeiros da pampa pobre, desse garoto que, como eu (e provavelmente você também), amava os Beatles e os Rolling Stones... Os Engenheiros do Hawaii!! \o/  

6 comentários:

  1. Salve Engenheiros!
    Ansiosa para passear por essas infinita higway!

    ResponderExcluir
  2. Lindo post, Ju! Super pessoal e sensível. Sensacional!

    ResponderExcluir
  3. Vlw Caio! *---* Espero que curtam romance, porque o que vem por aí é uma história de amor... rs xD

    ResponderExcluir
  4. Bem legal sua postagem. Passados 02 anos encontrei na internet alguém "parecido" com minha formação (não-formação) musical... Engraçado que meu gosto era bem parecido (acho que melhorei muito meu gosto para a música!!!)Parabéns moça, muito bem feito esse blog, bem comentado... Você é o tipo que eu não posso encontrar na rua...rsrsr 24 horas de bate-papo não serão suficientes.
    Abs,
    Fábio Daniel

    ResponderExcluir