domingo, 9 de março de 2014

Especial Semana da Mulher: Nina Simone

Dando sequência no Especial Semana da Mulher falaremos sobre ninguém menos que Eunice Kathleen Waymon, mais conhecida como Nina Simone, nome artístico onde "Nina" veio de pequena ("little one") e "Simone" foi uma homenagem à grande atriz do cinema francês Simone Signoret, sua preferida. A utilização de um nome artístico foi uma estratégia para cantar Blues nos cabarés de Nova Iorque, Filadélfia e Atlantic City, sem que seus pais, pastores metodistas, descobrissem.

Seu estilo musical foi se fundindo com suas influências entre o gospel e o pop juntamente com a música clássica. Era uma exímia pianista e possuía uma voz de contralto inconfundível.

Nos anos 60 envolveu-se no movimento dos direitos civis e a partir daí podemos observar uma séria de canções de protesto em sua obra como “Four Women” pelos direitos das mulheres ou “Young, gifted and Black” inspirada pelo Movimento Panteras Negras.  

O disco escolhido para este especial é I Put a Spell on You lançado em 1965 e onde estão algumas de suas melhores canções.

1. "I Put a Spell on You" (Jalacy Hawkins)

Esta canção composta em 1956 por Screamin' Jay Hawkins é daquelas que figuram em praticamente todas as listas das "500 maiores canções de todos os tempos" e já foi gravada por uma infinidade de outros artistas como The Animals, Creedence Clearwater Revival, Iggy PopCatherine Ringer, Ray Charles, Joe CockerMarilyn Manson e por aí vai. Mas o que torna esta versão especial? Justamente o toque clássico conferido pelos violinos e piano e o delicioso timbre de Nina. Então entra um saxofone que te envolve de vez nesta trip. 

"I Put a Spell on You" significa "lancei-te um feitiço" e realmente esta é uma versão que te enfeitiça. 

2. "Tomorrow Is My Turn" (Charles Aznavour/Marcel Stellman/Yves Stéphane)

Não foi hoje, mas amanhã é sua vez. Sem dúvidas, sem medos. Amanhã é o dia em que sua sorte vai voltar. 

3. "Ne me quitte pas" (Jacques Brel)

Aquela famosa canção de Jascques Brel, ganha uma linda releitura na voz de Nina Simone. A letra é fossa pra ninguém botar defeito, onde alguém que está sendo deixado para trás clama: "não me abandone!"

4. "Marriage is for Old Folks" (Leon Carr/Earl Shuman)

Aqui ao contrário da canção anterior, aqui ela manda o casamento às favas e declara: "casamento é coisa pra gente velha!". 

5. "July Tree" (Irma Jurist/Eve Merriam)

Uma canção sobre o amor, que como uma árvore tem seu tempo para florescer.

6. "Gimme Some" (Andy Stroud)

Começa no piano, entram os trompetes, guitarras e contrabaixos, backing vocals e Nina pedindo um pouco desse cara que ela diz gostar mais do que frango frito.

7. "Feeling Good" (Leslie Bricusse/Anthony Newley)

Um novo alvorecer, um novo dia, uma nova vida. E ela se sente muito bem com isso, pois se sente livre.

8. "One September Day" (Rudy Stevenson)

Uma onda nostálgica, para ela os anos vão passar, as lágrimas vão rolar, algumas memórias até vão desaparecer, mas não aquele dia de Setembro. 

9. "Blues on Purpose" (instrumental) (Rudy Stevenson)

10. "Beautiful Land" (Leslie Bricusse/Anthony Newley)

Uma música que parece ter sido feita para algum filme de fantasia. 

11. "You've Got to Learn" (Charles Aznavour/Marcel Stellman)

Fala sobre alguém que aprendeu ao longo da vida a dissimular sua tristeza com um sorriso no rosto e tocar sua vida apesar de ter um coração partido.

12. "Take Care of Business" (Andy Stroud)

Nesta canção ela parece ter achado um cara responsa e quer que o mundo saiba que ela está curtindo esse momento. 


Não achei nenhum link do álbum completo para disponibilizar aqui, mas você pode ouvir individualmente as canções, os links estão nos títulos de cada uma da lista aí em cima.

Espero que tenham curtido. E até a próxima! 

2 comentários:

  1. "Feeling good" é maravilhosa. Já ouviu com o Muse?

    ResponderExcluir
  2. Essa mulher é demais, sensacional. Que timbre!
    Uma diva!
    Esse disco foi uma excelente escolha. E os arranjos? De arrepiar.
    É pra ouvir no loop...

    ResponderExcluir