sábado, 1 de março de 2014

Charly García 8: Say no more, 1996

"Say No More", é o oitavo disco de nossa série sobre o cantor Charly García. Diferentemente dos álbuns anteriores que passaram entre o folk, o rock progressivo, o new wave, o pop rock, aqui temos um disco que se enquadra mais entre o experimental e a neopsicodelia. É considerado o disco mais obscuro da carreira de Charly, que parece ter chegado ao fundo do poço.

O título do disco seria algo como "Não diga nada" ou ainda "Diga "Não" mais vezes" e, coincidências à parte, suas canções ao longo do tempo são cheias de "nãos", a saber:



NO te animás a despegar 
NO te dejes desanimar
NO me dejan salir
NO soy un extraño
NO toquen
NO se va a llamar mi amor
NO me veras en el subte
NO voy en tren

NO te mueras en mi casa


Vemos em "Say No More" algumas evoluções em relação disco anterior, "La hija de la lágrima" principalmente na qualidade das faixas instrumentais. A melancolia, obscuridade, a profundidade e o caos são agudizados e a despeito das polêmicas, este é um disco que traduz o momento pessoal do artista e não deixa de ter sua importância em sua discografia.

Formam a banda, além de Charly García em todos os instrumentos, María Gabriela Epumer (guitarras e voz), Mario Serra (bateria), Erika Di Salvo (violino), Ulises Di Salvo (violoncelo), Gabriel Said (percussão), Rinaldo Rafanelli (baixo), contando com participações especiais de artistas como Nito Mestre e Andrés Calamaro

As faixas que compõe o álbum são 14 e foram compostas por Charly García. A faixa "Necesito un gol" foi escrita em parceria com Andrés Calamaro e "Intuición" com a contribuição de seu psicóloco Ken Lawton.


1. Estaba en llamas cuando me acosté

Nesta música faz uma provocação à impressa sensacionalista que andava repercutindo seus últimos escândalos. 

"la noticia apareció en un periódico sensacionalista
Decía simplemente que se había producido un incendio
Después de llegar los bomberos, la policía, la prensa
Rescatar al hombre, apagar el fuego,
Le hicieron la pregunta obvia: ¿cómo se inició el incendio?

No sé...estaba en llamas cuando me acosté"

2. Vemos..

Uma faixa instrumental curta e melancólica.

3. Canciones de jirafas

Ele não tem nada a dizer a não ser um: "oi, como vai?". 

4. Necesito un gol

A participação de Andrés Calamaro e os solos de guitarra são o ponto alto desta faixa.

5. Alguien en el mundo piensa en mí

Ele sabe que tem um monte de defeitos mas ainda assim existe alguém no mundo que pensa nele. 

"Yo sé que soy imbancable
Yo sé que no soy felíz
Yo sé que soy un amable traidor
Pero alguien en el mundo piensa en mí"

6. Constant Concept

Faixa instrumental.

7. Say No More

O violino e o celo, os teclados, alguns vocais obscuros, uma letra melancólica são a tônica desta faix, que dá nome ao álbum.

8. Cuchillos

"Cuchillos" é uma canção que se tornou clássico em muito pouco tempo. Ela foi composta em homenagem à cantora Mercedes Sosa. Charly a conhecia desde os seus 4 anos, pois sua mãe era produtora de cantores folcloristas, entre os quais a então jovem Mercedes que com o passar dos anos se transformaria em uma espécie de mãe adotiva para ele.

Considero a mais bonita do disco. "Cuchillos"  ganhou no ano seguinte uma linda versão cantada pela própria Mercedes em seu disco Alta Fidelidad onde revisita a obra de Charly.

Quem quiser comparar as duas versões, eis aqui:





9. A1

Faixa instrumental.

10. Plan 9

Faixa instrumental com cara de balé do Faustão.

11. Casa vacía

Uma pegada rock´n roll nesta faixa e uma letra falando sobre a solidão de morar em uma casa vazia.

12. Podrías entender

Temos aqui uma faixa bem enquadrada no estilo neopsicodelia. Seria uma espécie de  "estaba en llamas cuándo me acosté" parte 2.

13. Intuición

Um gringo falando com um som de gaitas de fole ao fundo. A curiosidade sobre esta faixa é que ela foi composta numa parceria entre Charly García e seu terapeuta Ken Lawton.

14. La vanguardia es así

Aqui se ouvem algumas vozes e pianos tocando partes de músicas como "De mi" e "Inconsciente colectivo". 


Aqui o disco na íntegra:





No próximo post falaremos do disco "El aguante" lançado em 1998, o nono desta série de 12 discos.

Até mais!




2 comentários:

  1. Olha...
    Eu diria que aí sim fomos surpreendidos novamente...
    brisa total esse disco aí.. rsrsrsr

    ResponderExcluir
  2. Esperando os outros 4 posts do blog até agora... em especial, o "Influencia" de 2002.

    ResponderExcluir