quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Charly García 6: Filosofía barata y zapatos de goma, 1990

E chegamos ao sexto disco de nossa série. Abrindo os anos 90 e fechando uma série de grandes discos, sendo considerado seu último disco de peso antes de sua fase conhecida como "Say no more" em que abraça um novo público e afasta parte de seus seguidores antigos.

"Filosofía barata y zapatos de goma" é sem dúvida o álbum mais autobiográfico da carreira de Charly e tem total influência do térmimo de seu longo relacionamento com sua esposa Zoca, uma bailarina brasileira do balé de Oscar Aráiz. Eles estavam juntos desde 1977 quando se conheceram em Búzios, ele então com 26 anos e ela com 21. Após 13 anos, e sem avisar, Zoca partiu para não voltar. O período em que estiveram juntos marca sua fase mais prolífica com excelentes discos na banda Serú Girán e em sua carreira solo, depois começam as internações devido ao abuso de drogas e discos que deixaram aos fãs mais antigos saudosos de seus "bons tempos".


As canções foram escritas neste contexto e acabaram servindo como uma espécie de terapia, despejando todo seu sentimento em suas letras.

A banda é formada por Charly García em todos os instrumentos, Fernando Samalea na bateria, máquinas de ritmo, percussão e acordeão, Carlos García Lopes na guitarra, Fernando Lupano no baixo, Fabián Quintiero nos teclados, Hilda Lizarazu nos vocais. Além de participações especiais de Fabiana Cantilo (voz), Nito Mestre (voz), Gustavo Cerati (guitarra), Andrés Calamaro (teclados CasioTone), Lolita Torres (voz e castanholas), Rinaldo Rafanelli (direção de orquestra), Bruja Suárez (gaita).

O disco contém 11 faixas incluindo uma polêmica versão do hino nacional argentino que foi proibida com a alegação de "ofensa a símbolos pátrios" mas depois acabou sendo autorizada na justiça.

1. De mí (Charly García)

O teclado da introdução já dá um tom melancólico, e a letra mostra um orgulho ferido de alguém que está só, porém contra sua vontade.

"Cuando me mires a los ojos
Y mi mirada esté en otro lugar
No te acerques a mí

Porque se que te puedo lastimar."

Em 1997 Lulu Santos gravou este cover em seu disco "Liga Lá".


2. Filosofía barata y zapatos de goma (Charly García)

Ao fim de um relacionamento parece que tudo o que restou foram uma filosofia de boteco e sapatos de borracha. 

Os vocais da Lolita Torres nesta faixa são fodas!

3. Reloj de plastilina (Charly García)

"Reloj de plastilina" descreve o saudosismo de uma fase de início de um relacionamento. Tem uma batida legal e uma linha de baixo consistente. 

4. Gato de metal (Charly García)

Aqui ele se compara a um gato vira-latas. A gaita, os teclados e o baixo são o ponto alto (com o perdão do trocadilho! XP)

5. No te mueras en mi casa (Charly García / Pedro Aznar / Gustavo Cerati)

Ele não sabe que merda aconteceu em San Telmo, mas recebe em sua casa, como um bom samaritano, alguém que está pra lá de Bagdá, e já logo avisa: "Por favor, não vai morrer aqui em casa!"

6. Curitas (Charly García)

Curitas significa band-aid. Ele sente saudades de sua amada, sente saudades até de si mesmo. Parece ser uma dor que machuca tanto que não consegue dormir sem curativos.

7. Sólo un poquito no más (Charly García / Dubatz)

Esta é uma das faixas do disco que se tornaram hits. Cantada meio em inglês, meio em espanhol. Uma canção bem radiofônica

8. Me siento mucho mejor (Gene Clark)

Versão da canção I'll Feel a Whole Lot Better da banda norte-americana The Byrds. A versão original também fala sobre separação e manda um "eu provavelmente vou me sentir melhor quando você for embora". E Charly no recalque do abandono, manda para sua ex-companheira "o que você fez não tem perdão, e hoje me sinto muito mais forte sem seu amor".

9. Siempre puedes olvidar (Charly García / Fabiana Cantilo)

Gosto muito das vozes sobrepostas nesta música. É visível o buraco que sua amada deixou em sua vida, aqui ele grita a solidão e mendiga que ela fique um pouco mais, até que resolva ir embora.

10. La canción del indeciso (Charly García)

Este é o hino daqueles indecisos, inseguros, procrastinadores, dos que não sabem bem o que devem fazer com suas vidas.

11. Himno Nacional Argentino 

Charly resolveu gravar o hino nacional no disco, e ficou uma versão melhor do que a Vanusa cantando o hino nacional brasileiro.


Você pode ouvir o disco na íntegra neste link:



E por hoje é só! No próximo post vamos falar sobre o disco "La hija de la lágrima" de 1994.


Um comentário:

  1. O que dizer?
    O Charly é foda!
    Mais um disco bacaníssimo.
    Não achei melhor que os outros, mas ainda sim é um Puta Disco!

    ResponderExcluir